Domingo, 3 de Fevereiro de 2008

O POTE DA VERDADE

Ao fechar este ciclo de comemorações que relembram o homem e a obra de Mons. Nunes Pereira, aqui fica “in memoriam” o registo de um conto de Fajão. Os Contos de Fajão, colectânea de contos recolhidos por Mons. Nunes Pereira e editados pela Junta de Freguesia de Fajão, são uma obra emblemática da tradição oral desta freguesia beirã. Acresce ainda a excelente ilustração que acompanha esta edição, “enriquecida pela introdução de reproduções de xilogravuras expressamente executadas por Mons. Nunes Pereira para ilustrar a temática de cada um dos contos”.
Por outro lado enquadra-se perfeitamente nesta época carnavalesca o conto que se transcreve.
 
Estava a decorrer um julgamento no tribunal de Fajão, e a certa altura uma testemunha fez o seu depoimento e rematou: Isto é que é a verdade.
O Juiz, ao ouvir falar em verdade, perguntou ao Delegado e ao Escrivão o que era aquilo, a verdade. Afinal, ninguém ali sabia o que era: só sabiam que era uma coisa que vinha de Coimbra.
Então encarregaram o oficial de diligências de ir a Coimbra buscar a verdade.
Ele foi, levou um grande pote para trazer cheio de verdade, e quando chegou à entrada de Coimbra, ali por alturas do Calhabé, perguntou onde era a Universidade, pois lhe pareceu que na Universidade é que encontraria verdade com fartura.
Calhou passarem por ali uns estudantes, e ao verem aquele serrano de carapuça e tamancos abertos, vestido de burel, a perguntar onde era a Universidade, para lá ir buscar a verdade, logo acudiram dizendo: Deixe cá isso connosco, e amanhã às tantas horas esteja aqui, que nós trazemos o pote cheio de verdade.
O homem concordou e entregou-lhes o pote.
Dali os estudantes foram para a sua «República», e nessa noite todos «fizeram» para dentro do pote. Depois puseram-lhe um pano na boca e amarraram-no muito bem, e no dia seguinte, de manhã, lá estavam no sítio combinado, com o pote da verdade.
«Aqui está o pote cheio de verdade. O senhor leve-o com muito cuidado, e não o abra nem o deixe abrir senão quando chegar a Fajão, e diante do Sr. Juiz e das autoridades da vila, porque a verdade é uma coisa muito fina, evapora-se com muita facilidade».
O oficial de diligências, todo satisfeito, lá foi para Fajão com o pote da verdade.
Chegado a Fajão, dirigiu-se à Praça, em frente da Câmara. Logo constou que tinha chegado a verdade, e todos se juntaram: o Juiz, o Pascoal, o Escrivão e as demais autoridades. Diante de todos foi destapado o pote, colocado em cima de um poial, e o Juiz foi o primeiro a cheirar. — «Parece que é merda!...», disse ele. E o oficial de diligências respondeu: — «É verdade!» Seguidamente todos cheiravam, e todos diziam: «Realmente parece que é merda». Mas o homem respondia sempre: — «É verdade!»

publicado por beatonuno às 14:45
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Francisco F a 6 de Fevereiro de 2008 às 23:14
Luís Carlos, o meu atraso tem uma explicação. Fui à terra do Cardoso Duarte visitar os meus que lá tenho, só hoje cheguei para visitar-(te).
Gostei do conto de fajão. só que este conto lembra-me que a "verdade", para muita gente, é mesmo isso.
É pena que a verdade, para muitos, caiba num pote, e o pote leva tudo o que lá puserem...
Escreve sempre e mais.
FF.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. EM POMBAL NADA FAZ MAL - ...

. EM POMBAL NADA FAZ MAL - ...

. HERÓI E SANTO

. BEATO NUNO PROMOVIDO A SA...

. JÁ NÃO É SEM TEMPO

. Dos Calhaus da Diocese Br...

. AS ORAÇÕES ESCOLARES NO L...

. O POTE DA VERDADE

. BRACARA AVGVSTA

. COIMBRA

.arquivos

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Julho 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds