Quinta-feira, 1 de Fevereiro de 2007

AS PRIMAS

A quarta prefeitura tinha uma situação privilegiada. Dali, daquela encosta debruçada sobre os laranjais do Mondego, avistava-se a curva do rio desde a Lapa dos Esteios até ao Choupal, perdendo-se o olhar, bem ao longe, na planura do rio a caminho da Figueira da Foz do Mondego. Na outra margem, o Mosteiro de Santa Clara e algumas casas que pouco a pouco iam povoando o outro lado da cidade, marginavam a estrada nacional que conduzia para sul. Mas a beleza natural da paisagem acabava por se tornar habitual, rotineira e vulgar. É que outros valores mais altos se levantavam e atraíam o interesse e os olhares dos alunos.
Ali, bem mais perto, estava um Colégio frequentado por meninas internas, a que, à falta de melhor, chamavam “primas”. Nem sequer sei se elas sabiam do parentesco, mas esta nomenclatura familiar passava de geração em geração, sem que fosse questionada. A localização do Colégio, num plano inferior, permitia usufruir de uma paisagem humana magnífica, que acabava por fazer esquecer a paisagem natural.
Sobretudo à hora do recreio era inevitável aquele reencontro com as “primas”. Lá estavam elas com as suas fardas azuis escuras, os seus risinhos e gritinhos estridentes a jogar à macaca. As mais velhas, porém, já pouco ligavam àquelas macacadas infantis e, em pequenos grupos, cochichavam pelos cantos do jardim, lançando de quando em quando, uns risinhos aflautados, como que a dizer: - Estamos aqui.
Em plano superior, debruçados das janelas e varandas, lá estavam, à hora aprazada, os “galifões”. Havia que aproveitar aqueles breves momentos para espraiar a vista e lançar um olhar guloso sobre aquele Éden cheio de rosados pomos. “Naquele engano de alma ledo e cego que a fortuna não deixa durar muito” – a hora do recreio passava tão depressa! - lá estavam eles aguardando um olhar, um gritinho intencionalmente dirigido, um gesto, um aceno fugaz, à socapa das madres.
A geração dos telemóveis e dos SMS, sempre a teclar, sempre a teclar a toda a hora, minuto e segundo, com uma velocidade incrível, não imagina os tormentos que noutros tempos suportavam os “padecentes” para conseguirem enviar uma ténue e discreta mensagenzinha. É claro que não se podia acender fogueira e comunicar, à maneira dos índios, com sinais de fumo, nem berrar de um lado para o outro, porque logo acorreriam os pastores para afastar os lobos esfaimados. Mas, como diz o velho ditado, a necessidade aguça o engenho. E vai daí que se tivesse de recorrer a um gesto mais discreto, a um moderado aceno para expressar o estado de alma, o sentimento apaixonado e ficar a aguardar o retorno possível. Outros, dotados de maior engenho e arte, inventaram um novo e revolucionário sistema de telecomunicações: o espelho! O Sol, bem alto e intenso àquela hora do dia, permitia que os espelhos reflectissem o ardor e a intensidade da paixão na direcção certa. As “primas”, ao princípio um pouco incrédulas ou pensando estar a ter uma revelação sobrenatural com aquela luminosidade tão intensa, depressa se apercebiam que aquilo que viam era bem natural e terreno. A luz vinha do alto, mas o alto estava ali bem em baixo. Um aceno fugidio era o único retorno possível. Afinal havia ali um fosso intransponível – tão perto e tão longe!
Era raro surgir uma oportunidade que propiciasse uma aproximação física mais gratificante. Pensando bem, essa oportunidade apenas surgia aquando da celebração de alguma solenidade religiosa na Sé. É que nesse dia as “priminhas”, com as suas fardas domingueiras e resguardadas pelas madres, lá seguiam a caminho da Catedral. Era dia de festa! E o dia da Senhora das Candeias, precisamente a 2 de Fevereiro, era um dia privilegiado porque no decurso da cerimónia religiosa acendiam-se velinhas. O lume era distribuído, através da vasta Sé, pelos alunos. Era vê-los correr para levar a chama às “priminhas”. Elas, ansiosas, já estendiam o pavio à chama que tardava. Momento tão fugaz quão intensamente desejado e vivido. Chama tão viva quão rapidamente refreada e extinta, com o amortecer do pavio.
O imaginário juvenil estava cheio de fantasias, devaneios e sonhos vãos, mas eram eles que iam alimentando a bruxuleante chama no decurso dos dias.
Razão tinha o poeta, quando na sua Mensagem escreveu:
 
O mito é o nada que é tudo.
 
Este, que aqui aportou,
Foi por não ser existindo.
Sem existir nos bastou.
Por não ter vindo foi vindo
E nos criou.

Assim a lenda se escorre
A entrar na realidade,
E a fecundá-la decorre.

(texto adaptado e com supressões)
publicado por beatonuno às 18:23
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De olhadela a 1 de Fevereiro de 2007 às 22:07
Ora, as primas! Já não me lembrava dessa faceta. Eu só pude saborear esse doce olhar sobre as "musas" do Mondego por muito pouco tempo. Mas, de facto, como era saborosa a fantasia, sem este "doentio" sistema de SMS actuais!
O Beça, é agora professor nas "primas". Quem sabe se essas tardes mirambulantes não tiveram alguma influência?!...
De olhadela a 2 de Fevereiro de 2007 às 20:06
Voltei aqui só para verificar a foto. Já repararam que ela é mesmo do tempo das primas?
Qué da ponte?
De beatonuno a 2 de Fevereiro de 2007 às 20:26
Muito bem observado amigo A. Simões. O trabalho que me deu para obter esta imagem!
De moreno_47 a 13 de Março de 2007 às 13:34
bom dia para todos... cheguei aqui por acaso... e gostaria de fazer um comentario sobre "as primas"... tambem por la passei nesses tempos, e ficaram alguns momentos de saudades... estou no lugar certo???

a. garcia
De beatonuno a 13 de Março de 2007 às 18:13
Seja bem-vindo quem vier por bem.
Direi mesmo que este é o lugar exacto, o ponto de encontro de muitos que por lá passaram e que agora se reencontram com estas "Memórias".
A paisagem ajuda a identificar melhor os espaços físicos, mas às vezes o nosso imaginário ainda é mais prodigioso e quase consegue fazer um retorno a esses tempos memoráveis.
De Margarida a 2 de Fevereiro de 2007 às 22:23
Eu andei no Colégio de S. José, na Conchada. Mas também por lá havia rapazes e lembro-me perfeitamente destas cenas vistas do lado contrário. Sempre que podiam eles vinham em grupos passear, (absolutamente por acaso, claro) diante das janelas do colégio. Nessas alturas as professoras notavam que a nossa atenção à tarefa da aula diminuia sensivelmente.
Até que um dia a Madre Directora deu dois berros, atirou-nos com um violento "Vocês não podem ver uma criatura de calças que ficam maluquinhas!!!" (note-se que naquele tempo NENHUMA mulher usava calças) e mandou colocar umas tabuinhas-tapa-vistas nas janelas que - vi um dia destes -ainda hoje lá existem. :-)
Claro, os padres confessores, que vinham de tempos a tempos ao colégio, passaram a ter menos trabalho.
Ah!!!! Como era fácil pecar naquele tempo!!! E que pena tenho de não ter vivido mais tarde, quando os pecados daquele tempo deixaram de o ser!!!... :-)
De Verpara crer a 10 de Fevereiro de 2007 às 17:07
Onde estarão agora essas nossas primas?
Lembro-me que até roupa emprestaram para fazer o "Médico à força". Ou estarei enganado?
De JoanaTorrado a 12 de Fevereiro de 2007 às 19:17
Olá.

O Blog tem um destaque merecido (aqui: http://blogs.sapo.pt/destaques.bml).

Parabéns e boa continuação :)
De beatonuno a 13 de Fevereiro de 2007 às 11:38
Primos e Primas... Parece que o sapo nos preparou uma surpresa agradável Estamos em destaque, como podem ver.
De olhadela a 13 de Fevereiro de 2007 às 22:38
Mais tarde ou mais cedo isso tinha que acontecer.
Com uma escrita destas e ainda por cima dedicada às nossas "queridas primas"...
Como diria Margarida no comentário e eu reforço: os pecados daquele tempo hoje são bençãos divinas. E eu que me fiquei pelos pecados... Eu ainda sou do tempo em que se pecava com os olhos...
De beatonuno a 14 de Fevereiro de 2007 às 12:01
Pelos vistos o hábito não se perdeui e continua-se ainda hoje com uma Olhadela.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. EM POMBAL NADA FAZ MAL - ...

. EM POMBAL NADA FAZ MAL - ...

. HERÓI E SANTO

. BEATO NUNO PROMOVIDO A SA...

. JÁ NÃO É SEM TEMPO

. Dos Calhaus da Diocese Br...

. AS ORAÇÕES ESCOLARES NO L...

. O POTE DA VERDADE

. BRACARA AVGVSTA

. COIMBRA

.arquivos

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Julho 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds