Quarta-feira, 10 de Maio de 2006

O EXERCÍCIO DE GREGO

Os alunos aglomeravam-se à porta da sala de aula, naquele longo corredor branco e frio, com lajedos de pedra, apenas iluminado pela luz que escorria das janelas sobranceiras ao claustro. Os alunos embrulhados nas suas capas e batinas negras tentavam afastar o frio envolvente.
O professor certamente não tardaria a chegar. Não era muito dado a fazer gazeta este professor de Grego. Ei-lo que aparece, ao fundo, a dobrar a esquina do amplo corredor. Avança ligeiro e já à porta ordena: “Vamossss Meninossss”.
Esta assibilação, característica da região de onde era oriundo, nunca a perdeu, nem quando andou pela colina do Quirinal, na Cidade Eterna, com o intuito de obter o canudo.
Os alunos respeitosamente acataram a ordem do mestre e, enquanto entravam na sala, iam sussurrando por entre dentes aquela versalhada que corria de boca em boca
Um doutor do Quirinal
Coisa tal eu nunca vi
Veio um dia a Portugal
Escrever Bruto c’ um i.
 
De estranhar apenas o facto de o professor, naquele dia, não trazer a Selecta  Grega, mas apenas uma folha de papel e o breviário. O que se estaria a passar?
Sentados já todos em seus lugares de acordo com a ordem alfabética, o professor puxa da folha e começa a ditar as perguntas do exercício de Grego. Uma cara de espanto se desenhou no rosto de todos os alunos. É que não estava marcado para aquele dia qualquer exercício de Grego. O professor apercebeu-se de que algo de anormal se passava e, tendo interpelado os alunos, ouviu em coro a resposta: – “O dia do exercício não é hoje”.
O mestre reconsiderou. Ficaria para a próxima aula. Aproveitaria esta para tirar dúvidas.
Colocou a dita folha em cima da carteira da frente e disponibilizou-se para prestar todos os esclarecimentos.
De repente um olhar cúmplice perpassou por toda a turma e um acordo tácito de súbito se estabeleceu. Começaram a chover as dúvidas em catadupa: as regras da acentuação com as oxítonas e as paroxítonas, os substantivos em alfa puro e alfa misto, os substantivos contractos, a terrível 3ª declinação, os neutros, as classes dos adjectivos e a infernal conjugação dos irregulares. Passou-se depois à sintaxe e aí era um nunca mais acabar de situações.
Diligentemente o sábio professor de Grego a tudo ia dando resposta. Os seus olhinhos sorriam por detrás dos óculos com uma satisfação incomensurável e patética. Na sua já longa carreira docente, jamais encontrara um grupo de alunos tão atento e tão ávido do saber e do sabor das coisas clássicas. Dava gosto trabalhar com estes rapazes – pensava. Desdobrava-se entre o quadro onde tudo exemplificava e a carteira do aluno que tudo baralhava.
Enquanto decorria esta cena movimentada no palco principal, ali ao lado permanecia a infeliz folha do exercício. A pobre folhinha, sentindo-se ali abandonada, deu uma piscadela de olho ao aluno que estava mais por perto. Este, num primeiro momento, sentiu uma certa vergonha e até lhe subiu à face um ligeiro rubor, mas pouco a pouco foi-se envolvendo naquela relação afectuosa. Primeiro um pouco a medo, depois um pouco mais desinibido, lançou sobre a folhinha que se lhe oferecia toda, um olhar cobiçoso. E a interpenetração foi avançando muito discretamente, passo a passo, para não levantar suspeitas nem atrair olhares indiscretos. E, despeitada com o seu senhor, a folhinha ia-se entregando, desnudando, num ritmo lento e sedutor. Pétala a pétala tudo foi tombando sem um ai, sem um queixume, silenciosamente. Nada ficou por desvendar. Foi então que o felizardo deu por acabado o “trabalhinho” e resolveu passar sinal de ter copiado todas as quinze perguntas que constavam da bendita folha que o professor deixara ali abandonada na carteira da frente. Já não era necessário portanto manter aquele afã, aquele frenesi, aquela ânsia de saber que parecia insaciável. Estava tudo sabido, tudo revelado, tudo desnudado.
Subitamente, como que por um passe de mágica, caiu um inesperado silêncio sobre a sala! As dúvidas acabaram, como se às mentes dos alunos tivessem acudido milénios de saber que num ápice tivessem preenchido todas as lacunas possíveis.
- Então não há mais dúvidas? – questionou o professor de Grego.
Silêncio total e olhos para baixo. Ninguém ousava erguer a cabeça, não fosse o mestre interpelar directamente aquele que se atrevesse a erguê-la.
Chegou finalmente o dia do exercício, como então se dizia.
Os alunos mui circunspectos e simulando o nervoso miudinho que soe ter-se em momentos destes, aguardavam o mestre à porta da sala de aula. Ei-lo que chega com os seus olhinhos a sorrir por detrás dos óculos, com uma satisfação incomensurável e patética. Ordenadamente sentam-se, deixando entre si os devidos espaços vazios para descanso do professor. Assim este poderia recitar calmamente o breviário sem temer copianços
Uma acalmia reinava em toda a sala. Não havia razão para nervosismos, depois de ter havido a dita sessão de esclarecimentos. Também… se desta vez a matéria não viesse toda sabida, nunca mais viria!
Havia porém que acautelar situações extremas. Lá diz o velho ditado que “o óptimo é inimigo do bom”. Nada de excessos, como impunha a regra helénica. Portanto havia que responder erradamente a uma ou outra questão ou deixar alguma em branco. Nem podia haver enganos ao trocar as folhas. Afinal foi até necessário reescrever o exercício todo porque o professor de Grego, tendo considerado que era demasiado extenso, cortou as últimas três perguntas. De quinze passaram a ser apenas doze.
Estava tudo sob controlo, pensavam os alunos com os seus botões. É que aluno é um bicho muito fino. Os professores às vezes pensam que não, mas estão redondamente enganados. Os alunos sabem-na toda!
Mas a experiência vem demonstrando que num rebanho há sempre uma ovelha negra! E aqui também apareceu uma, c’os diabos! Então não é que um deles, não se apercebendo do corte, se limitou a trocar a folha e mandou as quinze respostas! E agora? Sim, e agora? Agora é que iam ser elas! Aquele artista não tinha dado conta do corte! Bonito serviço!
Reunida a turma para deliberar sobre o trágico acontecimento, ouviram-se as mais díspares opiniões. O melhor era a turma, em peso, ir ter com o professor, contar tudo e pedir desculpa – diziam uns. Nada disso, o desleixado que se retratasse – pensavam outros. Quem o mandou entregar tudo? Iam agora pagar todos, só porque ele não esteve atento!?
O aluno em causa já se dispunha a copiar o gesto de Egas Moniz, quando de corda ao pescoço se dirigiu à corte do Rei de Leão. Mas só de imaginar aquela corda a roçar-lhe o gasganete, já lhe faltava o ar. Não, isso não, esse gesto é de heróis de antanho. Também o podiam ter avisado durante o exercício, mas ninguém lhe disse nada.
Iam passando os dias em discussões infrutíferas. Não se vislumbrava pois uma solução que agradasse a gregos e troianos. E o professor lá continuava no seu labor diário da correcção dos exercícios. Durante as aulas de Grego que se seguiram, bem se esperava qualquer sinal, qualquer indício pelo qual se pudesse avaliar o ponto da situação, mas nada. O professor mostrava um ar de normalidade, como se nada tivesse acontecido.
Rolaram os dias sem que nada se decidisse. Eis que numa bela manhã o professor apareceu com os exercícios na mão. Alguns pensaram logo em faltar àquela aula, mas o passo ligeiro do mestre impediu-os da fuga. Agora há que aguentar. Cá se fazem, cá se pagam.
A custo entraram sorumbáticos para a sala de aula. Ninguém ousava levantar a cabeça. O professor começou a distribuir os exercícios e, com grande espanto, os primeiros a receber o exercício não viram qualquer anotação especial, qualquer comentário anormal, para além do traço vermelho sobre as respostas que antecipadamente sabiam erradas. Destacava-se tão-somente a classificação que, à partida, se sabia não poder ser de vinte valores. Mas todos ficaram desassossegados, inquietos e aflitos quando chegou o momento da entrega do tal exercício com o extra. Agora é que iam ser elas! – pensavam todos.
Pensavam, mas para bem de todos, todos se enganaram. Aquele aluno merecia ser premiado com a maior classificação, pois fora o único que respondera a todas as perguntas do exercício. Parabéns!
publicado por beatonuno às 14:10
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De MVP a 12 de Maio de 2006 às 16:37
Os meus parabéns.
Até que enfim te resolveste a mostrar a tua arte de escrba.
Desta ainda me lembrava. Mas faz bem recordar.
Um abraço
MVP
De lamire a 12 de Maio de 2006 às 18:43
Estive a mastigar melhor esta história, saudando tb a passagem por aqui do MVP, um dos pioneiros desta coisa das netes por estas bandas.
Mas, li melhor a quadra e efectivamente aquilo só se deve à rebeldia da idade pois, apesar de todas as histórias humorísticas, Brito Cardoso é um santo homem que gosto de recordar. Agora que me vi grego com ele, ai isso vi!...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. EM POMBAL NADA FAZ MAL - ...

. EM POMBAL NADA FAZ MAL - ...

. HERÓI E SANTO

. BEATO NUNO PROMOVIDO A SA...

. JÁ NÃO É SEM TEMPO

. Dos Calhaus da Diocese Br...

. AS ORAÇÕES ESCOLARES NO L...

. O POTE DA VERDADE

. BRACARA AVGVSTA

. COIMBRA

.arquivos

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Julho 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds